1 de dez de 2009

Entrevista - Jonas Lopes



Nosso primeiro entrevistado do blog foi o mais novo instrutor da Interacto - Jonas Lopes.

Jonas fala sobre sua trajetória na dança de salão, expectativas com as carreiras de professor e dançarino, descarta a crise dos dois anos e meio, chegou a falar em da "Zuka que funcionava" e da que ela tem feito na equipe atual, e um pouco dos projetos pessoais e profissionais.


Int: Muito se falou em uma tal crise de desmotivação "dos dois anos e meio" você teve sua ascensão justamente após dois anos e meio, como você explica?

Jon: Sempre tive foco, busquei fazer algo ligado a dança. Confesso que entrei na Interacto achando que seria professor em seis meses, rs. Sempre quis ser professor, sou apaixonado pela dança. Busquei o meu objetivo sempre me dedicando ao máximo, e com isso fui crescendo.


Int: Como, quando e onde você se interessou pela Dança de Salão como uma possível profissão?


Jon: Comecei numa escola estadual - Zuleika de Barros Martins Ferreira - e desde lá eu já era um "bom bolsista", fazia todas as aulas possíveis e me dedicava ao máximo, absorvendo toda a informação que conseguisse. Daí me apaixonei.


Int: Já tinha tido outro contato com a Dança ?


Jon: Minha vida sempre teve dança, na minha família sempre levávamos a dança conosco, e quando pequeno acompanhava minha mãe nos bailes de samba-rock e nostalgia.


Int: Como você chegou finalmente chegou a Interacto?


Jon: Foi por indicação de uma amiga que fazia dança comigo lá no Zuleika, na verdade ela estava comentando que ia fazer a audição para bolsistas aqui, eu pesquisei na internet, acabei ligando no Jaime Campo Belo, continuei pesquisando até que consegui o telefone certo, liguei e vim para fazer a audição, onde passei e aqui estou até hoje.


Int: Você também teve aquela famosa primeira reunião com o Ivan? Qual foi a sua impressão?

Jon: Sim, também tive. E sinceramente depois dela quase não voltei!(risos) Confesso que foi a única vez que senti vontade de desistir, mas a vontade de voltar e provar o contrário de tudo que foi dito foi maior e então eu continuei firme. Essa reunião é a maior prova de resistência, eu acredito que depois que você tem coragem de voltar e encarar de frente todas as provações que te apresentaram o resto é fichinha.


Int: Como você se sente quando a "cúpula" te aponta como um "ponto de referência"?


Jon: Não gosto muito desta história de ponto de referência, acredito que cada um tem que ser seu próprio ponto de referência, seguindo seus princípios e respeitando seus limites.


Int: Você sente falta da equipe que estava aqui quando você chegou?


Jon: Sinto muita falta da equipe antiga! Era uma equipe forte, unida, tinha a Zuka presente, mas era uma Zuka que funcionava. Equipe que fazia acontecer, que sempre comparecia, nas viagens, nos bailes, nos eventos de equipe e tudo mais.


Int: O que falta para a equipe atual chegar novamente ao bom momento de anos atrás?


Jon: O que falta pra equipe atual é a chama de buscar, a vontade de crescer, a equipe está voltando a ter a mesma força e união de antes, mas ainda falta um pouco de espírito de equipe e integração e eu digo isso não só entre os bolsistas, mas entre a equipe como um todo (professores, bolsistas e funcionários), onde todos estão juntos, todo mundo misturado na mesma panela! Precisamos resgatar aquela gana de conquistar.

Int: Mudando um pouco de assunto, considerando que você dá aula de vários ritmos qual deles você apontaria como seu predileto?

Jon: Não tenho exatamente um ritmo preferido definido, fico entre a Salsa e o Samba, adoro estudar a dança em si, independente do ritmo. O que eu não gosto mesmo é de forró, eu falo desse forró tipo universitário, não gosto de dançar, mas é um dos que eu mais gosto de ensinar! Para dançar forró tem que ser um bem pauleira, daí eu gosto! (risos)


Int: O que você acha do trabalho de Personal Dancer, parece um bom segmento?

Jon: Eu particularmente não gosto de fazer personal e não o faço, não me agrada, me sinto preso, como se tivesse alguém que fosse meu dono, odeio fazer qualquer coisa e principalmente dançar obrigado. Não gostaria de viver de personal, mas a idéia de chás dançantes já me agrada um pouco mais, pois eu tenho a liberdade de dançar com mais de uma pessoa, me divertindo de formas diferentes!

Int: Como você se vê daqui a cinco anos?

Jon: Não me vejo daqui a cinco anos, exceto quando se trata da faculdade, onde estarei formado! Meu objetivo no momento é fazer o meu melhor aqui, mas sou muito inconstante, posso dar como exemplo que antes de entrar para a Interacto eu queria ser médico veterinário e estava me preparando para isso! Gosto de viver o presente e fazer com que seja o melhor possível!

Int: Você se interessa por outros caminhos da Educação Física?

Jon: Sim, tenho alguns projetos pessoais ligados à dança e a outros ramos de educação física, como por exemplo as aulas em escolas regulares, gosto desse tipo de aula.



3 comentários:

  1. Jons Brodis!!!! Cara!!! que lindo saber um pouquinho mais da sua história com a dança!

    ResponderExcluir
  2. É sempre bom saber um pouco mais da história de pessoas com quem convivemos e gostamos. Adorei a entrevista!

    ResponderExcluir
  3. Não tinha conseguido postar antes! O blog está lindo! Adorei...
    Ah!! E essa matéria com o JOnas foi muuuito legal!

    beijos

    ResponderExcluir